domingo, 1 de julho de 2018

Se hoje eu morrer

Se hoje eu morrer e o amanhã não chegar
Não terei ido aos lugares que planejei
Vou lamentar por deixar o diário inacabado
Se hoje eu morrer
Não será por desistência ou medo da vida

Se hoje eu morrer e o amanhã não chegar
Não saberei como são os outros
Vou chorar pelos que não conheci
Se hoje eu morrer
Não serei menos do que os dias que fui

Se hoje eu morrer e o amanhã não chegar
Não terei sido totalmente compreendido
Vou deixar de me expressar
Se hoje eu morrer
Não seria uma fuga daquilo que eu sou

Se hoje eu morrer e o amanha não chegar
Não terei amado aqueles que eu deveria
Vou recolher os restos de mim
Se hoje eu morrer
Não será pela saudade e sim pela ausência

Se hoje eu morrer
E o amanhã eu não chegar a ver
Não será por solidão
Mas pelo tumulto interno do ser
Pelo tumulto da multidão...
 

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Poesia da Carne


Estou olhando a caligrafia e suas letras me fascinam
Descendo pela sua pele alva cada palavra possui um mistério
A poesia em seu corpo me transforma de tal maneira
Que desejo usá-la, cada oração, cada sentença...

Cada movimento e cada frase em seu corpo dançante
Meu olhar inconspícuo procura pelo êxtase
Palavras que sobem pelas pernas
Palavras que te envolvem o torso

Celebrações em minha mente (inconsciente)
Crio as nuances de orações profanas
Agora cada palavra faz sentido
E os sentidos se misturam e se desdobram

Que som é esse dessas palavras em destaque
Qual é meu papel nesse roteiro?
Palavras que sobem pelo pescoço
Palavras que rodeiam minhas fantasias

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Noites não dormidas (ou Sobre a dor n.01)


Ás vezes penso que as psicoses nunca irão desaparecer de tempos em tempos elas se mostram na janela ou em um espelho por mais que eu mal as recorde um fantasma surge para estragar o dia e tudo parece cinza novamente esta é uma celebração ao contrário cada momento de lembrança é menos um momento na vida imagens de outras eras passadas, outros lugares vividos, outros remédios tomados algo ficou errado neste percurso torto das belezas escondidas em olhares mal me lembro o que restou foi a confusão das noites não dormidas e dos encontros não realizados... As dores que sinto seriam a causa ou o efeito já não sei distinguir o dia da noite, das ruas não me lembro e daqueles fantasmas já não fujo compreendera si mesmo é questão de intensidade ou de reflexão das lembranças? não sou mais o que era antes e deixei que a dor me abraçasse por não saber lutar, por não ter pelo que lutar... estou errado, quebrado, aprisionado em um quarto de destroços... sem mais páginas e sem mais tintas não há palavras para se criar ou libertar não vejo nuvens nem esperanças as cores fugiram de mim como eu fujo deles não há tempo nem espaço para mim...


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Canção do último choro

- Isso tudo não é algo significativo
comparado ao infinito conhecido de meus sentimentos...

Entre pedras em chamas
entre gritos de ódio
entre o cheiro de sangue
entre a confusão de se saber viver

Olhos semiabertos para não exagerar
enquanto a humanidade perde sua humanidade
Gritamos para quem?
"Father won't you carry me..."
Não há maneiras de fugir
Não há maneiras de fugir
Eu não consigo me lembrar
dos dias anteriores a guerra
Tudo é vago... tudo é fumaça...

Os últimos sobreviventes
não terão memória
não terão passado
foi tudo consumido
desaparecido no ar... como o próprio ar...

Entre casas em chamas
entre gritos de dor
entre o corpos e sangue
entre o desespero de não se saber viver

Emerge
a vontade de voltar... a vontade de voltar para casa...

quarta-feira, 26 de abril de 2017

A Mesma Jornada

Nascido na tormenta de um subúrbio vazio
As longas sombras do crepúsculo me cobriam
Estrangulado pela ignorância meus gritos não ecoaram
Ninguém me ouviu chorar
Ninguém me viu chegar
Tornei-me incompreendido antes mesmo de caminhar
Sobre essa terra insólita
Atormentado, pela escuridão me criei
Desejando a morte e ignorando as vozes
Sendo criado pelas noites de pesadelos
Eu aprendi a controlar os sonhos
Mas nunca aprendi a lidar com pessoas
Sobrevivi respirando fundo debaixo d'água
Enquanto a noite seguia eu fui me firmando
Minhas raízes procuravam por conhecimentos distintos
E por madrugadas eu sobrevivi...

Os caminhos podem seguir para o perigo
Mas nada de imediato acelera meu coração
A luz da lua é a única luz visível por toda a noite
Eu tenho um pressentimento de que o dia será pior
E o dia será pior
Tornei-me imune ao perigo
Abraçando todos os medos e sangrando minha mão
Tornei-me senhor de mim
Procurando pelas respostas ocultas nas montanhas
A poesia que inalo preenche os vazios do meu ser
Cada palavra que não ouvi tornou-se minha arma
E meu único amigo desaparecia na neblina
O medo do amanhecer me fortalece a cada dia
Enquanto a luz não surge eu vivo
Nas paredes do sótão guardo os vazios das lembranças
Enquanto a luz não surge eu sou invencível...    

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

237/366 - Comigo mesmo

Andando pelas ruas, sozinho
Te vi passar
formando par com outra sombra

Disseram-me que seu sorriso já
possui um outro acompanhante
Seus olhos agora se refletem em outros olhos
E eu estou bem aqui, de pé
Onde ninguém pode me ver
Sozinho, com minhas nuvens

Não sou eu te esperando no café
Estou do outro lado da rua
sufocando meus próprios sonhos
(porque ninguém me vê?)
Ouvi seus risos por aí
misturado com outros risos

E eu estou bem aqui, de pé
Onde ninguém pode me ver
Sozinho, com minhas nuvens

Espero que não se importe
Ver-te ao longe, te imaginar ao longe



domingo, 7 de agosto de 2016

219/366 - Outra vez

Eu queria poder subir em um ônibus e
partir para algum lugar totalmente novo
Eu queria poder andar por aí e
conhecer uma pessoa totalmente nova

Eu queria dizer adeus mas você já ouviu isso antes
Eu queria te beijar mas a despedida seria falsa demais
Eu queria gritar mas isso não iria adiantar nada
Eu queria parar de chorar mas estaria mentindo

Queria outro amor mas é tarde demais
Queria outra chuva no rosto, outra tempestade de ideias
Queria outro ideal e uma outra aventura
Queria parar de andar por aí em vão

Eu queria dizer as minhas desculpas e
isso seria o máximo que conseguiria agora
Eu queria brigar no meio da rua no centro da cidade e
parecer que me importo com as escolhas suas

mas isso seria piegas...